www.nilson.pro.br Japo: tradio e mudana na famlia japonesa

www.nilson.pro.br Japo: tradio e mudana na famlia japonesa

www.nilson.pro.br Japo: tradio e mudana na famlia japonesa 30/01/20 www.nilson.pro.br 1 Referncia: Families across cultures. A 30-nation phychological study James Georges, John W. Berry, Fons J. R. van de Vijner, igdem Kagiibasi e Yper H. Poortinga (Editors) Cambridge: Cambridge University Press, 2006 30/01/20 www.nilson.pro.br

2 Localizando o Japo... 30/01/20 www.nilson.pro.br 3 Caractersticas ecolgicas: Arquiplago constitudo por cerca de 7.000 ilhas, localizado ao largo da costa nordeste da sia, entre o Mar do Japo e o Oceano Pacfico Norte. Fica acerca de 3.000 km de comprimento, de nordeste a sudoeste, com uma rea de cerca de 380.000 km2.

Hokkaido, ilha mais ao norte, fria como no Canad, enquanto cadeias de ilhas mais ao sul tm clima semelhante ao das ilhas do Caribe. Trs quartos do seu solo formado por cadeias montanhosas. A populao atual do pas de aproximadamente 127 milhes de habitantes. Tquio a capital, com 12 milhes de habitantes. As reas urbanas so densamente povoadas e mais de 40 por cento da populao vivem em torno das trs maiores reas metropolitanas de Tquio, Osaka e Nagoya. 30/01/20 www.nilson.pro.br 4 ORGANIZAO E INSTITUIES DA SOCIEDADE A organizao econmica O Japo ps-guerra um pas altamente industrializado.

Setor primrio 5,3 %, em 1998; Setor secundrio 31,5%; Setor Tercirio 63,2%; Dois elementos bsicos: tempo de trabalho, tempo na funo; Salrio e promoo/nmero de anos trabalhados. A economia japonesa no a maior em expanso, como o foi durante os anos 1970 e 80. As empresas j no podem dar-se ao luxo de promover um sistema em que a antiguidade mais importante do que o desempenho no trabalho. Mudanas na forma de recrutamento: contratos de acordo com a necessidade, e as pessoas mudam de emprego com mais frequncia. 30/01/20 www.nilson.pro.br

5 ORGANIZAO E INSTITUIES DA SOCIEDADE As instituies polticas e do sistema jurdico Sistema de governo semelhante ao sistema parlamentar britnico. A Diet (legislatura nacional japonesa) composta por duas Casas (cmaras dos Deputados e dos Conselheiros). O poder executivo exercido pelo Gabinete, que consiste do primeiro-ministro e cerca de 20 ministros de estado e coletivamente responsvel perante a Diet. O poder judicial exercido pelo Supremo Tribunal e oTribunal inferior. Em nvel local, existem 47 prefeituras e mais de 3.000 municpios subordinados, sendo cada um deles governado por seus prprios governadores e assemblias. Os governadores locais so eleitos diretamente pelos moradores. 30/01/20 www.nilson.pro.br 6 ORGANIZAO E INSTITUIES DA SOCIEDADE

Sistema educacional Composio: seis anos de escola primria, trs anos de jnior e trs de snior High School e quatro anos de universidade ou dois anos de faculdade jnior. Escolaridade obrigatria: ensino fundamental e ensino mdio. 97,0% dos estudantes que se formaram na escola secundria tambm foram para a escola de ensino mdia e 45,1% daqueles que se formaram no colegial foram para a universidade ou faculdade jnior. A maioria dos estudantes continuam seus estudos aps a escola regular, a fim de introduzir-se nas melhores instituies. 30/01/20 www.nilson.pro.br 7 ORGANIZAO E INSTITUIES DA SOCIEDADE Religio

Religies mais importantes: o xintosmo e o budismo. Xintosmo a f indgena cultuada desde os tempos antigos. O Budismo foi introduzido no Japo no sculo VI. As duas religies tm co-existido por um longo tempo e ainda complementam-se at certo ponto. Hoje, muitos japoneses tendem a alegar que no acreditam em qualquer religio. No entanto, eles seguem alguns costumes religiosos em ocasies cerimoniais, como casamentos e funerais. 30/01/20 www.nilson.pro.br 8 RELAES SOCIAIS E OBRIGAES DE GRUPO Orientao de grupo social Costuma-se argumentar que a unidade social fundamental no Japo no o indivduo no sentido ocidental, mas o grupo. O grupo no Japo no percebido como uma

organizao em que os indivduos com atributos comuns esto vinculados por contrato, no grupo japons "meu" ou "nosso grupo", percebido como um agente integrado em si mesmo. A nfase da conscincia de grupo japons leva a diferenciar o seu comportamento, se a situao uchi (dentro) e soto (fora). Usar-se o termo japons uchi coloquialmente para se referir a sua casa, a famlia, a empresa onde trabalham e outros. 30/01/20 www.nilson.pro.br 9 RELAES SOCIAIS E OBRIGAES DE GRUPO Trs domnios de relaes A dicotomia uchi-soto um critrio importante para definir as relaes sociais no Japo, mas no suficiente. Trs domnios de situaes interpessoais entre os japoneses:

A "relao ntima; O "ritual" de relacionamento; O anomic. 30/01/20 www.nilson.pro.br 10 A FAMLIA Casamento O casamento tem sido tradicionalmente considerado arranjo entre duas famlias e no uma unio de dois indivduos. O conceito ocidental de casamento, est sendo gradualmente adotado. no Japo. Casamento arranjado est diminuindo ano a ano, embora ainda seja uma forma de seleo do cnjuge. Estima-se que 10% de todos os casamentos eram arranjados em 1995-1999.

Casamento com base no amor, prevalece: - nas reas urbanas; - entre os casais mais jovens. Divrcio: 2,0% (1.000), em 1999. Embora a taxa esteja aumentando gradualmente nos dias atuais, o divrcio ainda menos frequente, em comparao com pases ocidentais. Famlias chefiadas por mes solteiras de apenas 1% de todos os lares japoneses. 30/01/20 www.nilson.pro.br 11 A FAMLIA A estrutura familiar

Antes da Segunda Guerra Mundial: Trs ou quatro geraes viviam juntas em lares japoneses; Nas famlias tradicionais, o pai exerceu o papel do patriarca com autoridade absoluta sobre os outros; Primeiro filho, um futuro chefe de famlia; O bem-estar da famlia (ie) tomou precedncia sobre qualquer membro. Nas famlias contemporneas: - Diminuio do nmero de filhos (4,1 membros/1960 e 2,7/2000); - O percentual de famlias nucleares foi de 58,4% em 2000; - Aps o casamento, os filhos no residem necessariamente com ou prximo a residncia do pai. As filhas casadas ficam por vezes mais ligadas a seus pais do que os filhos casados. - A ausncia dos avs na famlia considerada como um fator que cria uma descontinuidade entre as geraes e a diminuio do sentido tradicional do Japo. 30/01/20 www.nilson.pro.br 12

A FAMLIA Os papis de gnero na famlia Enfraquecimento do papel tradicional de gnero; Contudo, - Mais de 80% do servio domstico feito por mulher; - Avs e filhas tendem a ajudar as mes a fazer o trabalho domstico, mais que avs e filhos. Sendo isso, indicador de que o papel do gnero na famlia passado atravs das geraes. 30/01/20 www.nilson.pro.br 13 A FAMLIA Vnculos me-criana Cuidados maternos e aproximao valorizados. As necessidades de uma criana, sua forte dependncia, tanto emocional quanto existencial, so satisfeitas pela devoo

complacente da me para com a criana. O trabalho da me preparar a criana para a vida adulta e tornar-se mediadora entre o ambiente familiar e o ambiente externo (Kim, 1994). Nesse sentido, uma me japonesa psicologicamente representa a famlia, embora o chefe formal da famlia seja o pai. Ela detm uma posio estvel e poderosa dentro de casa, e desempenha um papel importante ao manter o ambiente familiar agradvel para todos os outros membros da famlia. 30/01/20 www.nilson.pro.br 14 MUDANAS NA FAMLIA Enfrentar o envelhecimento da sociedade Pas envelhecendo rapidamente: - Baixa taxa de natalidade; - Maior expectativa de vida; - Aumento na idade em que homens e mulheres se casam.

De uma populao atual de 126,9 milhes, 17,3% tm mais de seus 65 anos de idade, e o nmero pode chegar a 28% em 2025, de acordo com as estatsticas do governo japons. A percentagem de famlias com pessoas acima de 65 anos foi de 32,2% em 2000. A tendncia para uma famlia nuclear faz com que um novo problema aparea: o de idosos vivendo sozinhos. A percentagem de idosos vivendo sozinhos 20,2% e continua a aumentar. 30/01/20 www.nilson.pro.br 15 MUDANAS NA FAMLIA Casamento mais tarde e menor nmero de filhos

Queda na taxa de natalidade, depois do boom na dcada de 1970. O nmero de nascimentos em 2001 foi de 1,175 milhes, recorde de baixa se comparado aos 1,177 milhes em 1999. Os mais jovens preferindo permanecer mais tempo solteiros, o que tambm contribui para o envelhecimento da populao e para a queda da taxa de nascimento. Em 2000, 69,3% de homens japoneses entre 19 e 25 anos eram solteiros, em comparao com 54,0% das mulheres na mesma faixa etria. A taxa de fertilidade do Japo, que era de 1,36 em 2000, est muito abaixo dos 2,1 necessrios para manter a populao estvel sem imigrao. 30/01/20 www.nilson.pro.br 16 MUDANAS NA FAMLIA Esposas e mes trabalhadoras

As mulheres japonesas tm feito alguns ganhos desde a implementao da Lei de Igualdade de Oportunidades de Emprego em 1985. No entanto, as esposas e mes trabalhadoras ainda esto muito aqum dos homens em termos de ambiente em que vivem. A mdia de tempo dirio gasto para fazer trabalho domstico: - Esposas: 4 h 56 min (donas de casa em tempo integral), e 3h18 min para as esposas inseridas no mercado de trabalho. - Maridos: inferior a 10 minutos, independentemente de suas atividades e as da esposa. Licena para cuidados dos filhos (trabalhadores em tempo integral): - 56,4% das mulheres que deram luz em 1998 tiraram licena, enquanto que apenas 0,42% de seus maridos tomaram. Em suma, o ambiente de trabalho para esposas e mes japonesas tem melhorado, embora apenas ligeiramente. Esta lentido pode ser a causa do casamento mais tarde e de menos crianas, como foi mencionado acima. 30/01/20 www.nilson.pro.br

17 SIGNIFICADO PSICOLGICO DE FAMLIA Expectativa de ser entendido Relao ideal da famlia no Japo caracterizada por "um sentimento de unidade" entre os membros. Pesquisa de Muramoto (2003) com estudantes universitrios japoneses para indicarem em que medida o pensamento de cada membro da famlia era entendido: - Quase todos disseram esperar ser compreendidos; - 72%, entendem que so compreendidos pela me; - 65% pelo pai; - 63% pelos irmos; - 77% a si prprios; - 50% pelos avs; - 38% por tio ou tia. 30/01/20 www.nilson.pro.br 18

SIGNIFICADO PSICOLGICO DE FAMLIA Um auto-valorizao indireta que os olhos da famlia O japons gosta de manter e melhorar sua auto-estima indiretamente, obtendo apoio dos seus familiares, em vez de uma autovalorizao direta (por exemplo, Muramoto, 2003). Em outra pesquisa, Muramoto verificou que, ao atribuir um sucesso ou um fracasso, os inquiridos tendem a enfatizar fatores externos (por exemplo, sorte, acaso) para o sucesso mais do que para o fracasso, com indicao "modesta". Em relao s atribuies feitas por outros os inquiridos tendem a esperar que os seus pais e irmos enfatizem os fatores internos (por exemplo, a competncia, esforo) para o sucesso mais do que para o fracasso. Estes resultados sugerem que o japons no tenta melhorar ou proteger a sua autoestima de forma explcita, mas deseja que o faam usando implicitamente uma forma indireta. Eles podem manter a sua prpria autoestima positiva de apoio mtuo e de reciprocidade com seus familiares. 30/01/20 www.nilson.pro.br

19 CONCLUSES Pesquisa de opinio nacional (2000): "Qual a sua casa para voc?" - O lugar para ter um momento feliz com a famlia" (62,5%); - O lugar para fortalecer o vnculo familiar" (43,6%). Pesquisa social, 1995, em Tquio: A famlia japonesa era claramente distinguida de outros grupos sociais em termos dos seguintes aspectos: (a) o apoio financeiro; (b) apoio psicolgico (emoes); (c) partilha; (d) amae (dependncia); (e) obrigaes firmes; e (f) permanncia da relao (Muramoto e Yamaguchi, 2003). Constatou-se tambm que os japoneses tendem a manter e melhorar sua

autoestima indiretamente, em vez de autovalorizao direta (Muramoto, 2003). Os resultados indicam que a importncia absoluta da famlia ainda permanece entre os japoneses, embora a famlia japonesa seja fortemente influenciada pela contnua transformao do contexto socioeconmico. As diversas mudanas sociais no Japo traaram novos papis e funes para a famlia contempornea, e vai continuar promovendo outras modificaes para a futura famlia. 30/01/20 www.nilson.pro.br 20

Recently Viewed Presentations

  • Datamation Sort 1 Million Record Sort using OpenMP

    Datamation Sort 1 Million Record Sort using OpenMP

    Datamation Sort 1 Million Record Sort using OpenMP and MPI Sammie Carter Department of Computer Science N.C. State University November 18, 2004
  • Chapter 8

    Chapter 8

    A Recognition Task Which of the following are names of the Seven Dwarfs? Goofy Bashful Sleepy Meanie Smarty Doc Scaredy Happy Dopey Angry Grumpy Sneezy Wheezy Crazy Spreading Activation Model Activation Level: The internal state of a memory, reflecting its...
  • Analysis of Algorithms

    Analysis of Algorithms

    Skip Lists S3 S2 15 S1 23 15 S0 10 36 23 15 Skip Lists Skip Lists What is a Skip List A skip list for a set S of distinct (key, element) items is a series of lists S0,...
  • PHOTOJOURNALISM: TELLING STORIES WITH IMAGES (Lessons 7 -10)

    PHOTOJOURNALISM: TELLING STORIES WITH IMAGES (Lessons 7 -10)

    mug shot, the eyes appear at the top third of the photo. In a . landscape/seascape, the horizon appears on either the top third or the bottom third, not in the middle. ... two or three sentences, for each step...
  • Multimedia Communication - peter-lo.com

    Multimedia Communication - peter-lo.com

    JPEG JPEG stands for Joint Picture Experts Group. This standard was developed for still images and has a compression rate of 20:1. It can be used for intra-frame compression. Files in this format have a .JPG or .JPEG extension. What...
  • VDI Practical Guidelines and Real Life Considerations

    VDI Practical Guidelines and Real Life Considerations

    VDI environments are off the charts manic depressives. Use a VAR/OEM to assess historic workload patterns, plan and design/implement, and check their references. Licensing the Desktops. Ask three different Microsoft people how to licensing "anything" and you will get three...
  • Evolution Of An SRM Program Lisa Deal, Asst

    Evolution Of An SRM Program Lisa Deal, Asst

    Office Depot & Mister Paper. Office Depot/Mister Paper Relationship. Partners supporting UF since 2007, over 11 years. Blend of local vendor relationships and service with the Retail Stores, Technology and sourcing support from a National Company. Nationwide support and delivery....
  • American Diabetes Association

    American Diabetes Association

    standards of medical care in diabetes—2015